As Ricas Horas do Duque de Berry

As Ricas Horas do Duque de Berry
As Ricas Horas do Duque de Berry. Produção dos irmãos Limbourg - séc. XV. Mês de agosto

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Roteiro de estudos para os exames de 2a Fase 2014: Unesp, Fuvest e Unicamp

Caros leitores,

Este post é dedicado aos meus alunos, que nestas próximas semanas, estarão se preparando para os exames dissertativos das principais Universidades de São Paulo.

Para começo de conversa: Toda questão dissertativa é uma mini-redação, que portanto, deve ter começo, meio e fim. Dessa forma, por mais simples que seja a pergunta: "Cite duas características da economia açucareira no Brasil Colonial.", a resposta deverá começar com algo como: "São características da economia açucareira tal coisa e tal coisa." ou "Podemos citar como características isso e aquilo". Expressões ou palavras soltas, por mais certas que estejam, apenas darão a entender ao corretor que você leu a pergunta, parece que entendeu o que deveria responder, mas não soube fazê-lo.

Sempre use a norma culta, nada de gírias, expressões populares ou linguagem de internet, a menos que, tenha alguma relação com a pergunta feita. Caso seja uma questão que envolva o uso de uma parte do texto do enunciado ou fonte textual presente na pergunta, faça a citação formal: Segundo o texto : "....." ou De acordo com o autor: ".....".

A letra deve ser a mais legível possível, evitando não só as abreviaturas (quando abreviamos algo, nós sabemos o quê fizemos, mas um leitor pode não entender e nesse caso, sua nota está em jogo!), como também, uma letra muito pequena e compactada para fazer uma resposta muito maior e muito cuidado com o uso de expressões estrangeiras ou mesmo citações de frases famosas, pois podem prejudicar sua resposta se forem mal utilizadas, então, nada de floreios ou tentativas forçadas de mostrar uma "elevada erudição" ao corretor.

Uma boa resposta pode ser concisa, clara e objetiva, uma vez que o tempo e o espaço disponíveis não são muito grandes para grandes elocubrações ou debates. Mais do que nunca, é imprescindível lembrar que a resposta será avaliada por dois critérios principais: a presença de informações corretas e a apresentação de uma capacidade de argumentação consistente.

Caso você não saiba a resposta de um item, não tente fazer como naquelas provas do colégio, escrevendo "um monte de coisas desconexas, nada relacionadas à pergunta", o famoso "encher linguiça" e fique esperando que o corretor "terá o cuidado de ver o que se salva dali", como muitas vezes, vários professores tentaram/tentam fazer na sua vida escolar.

No caso do vestibular, há uma grade de informações que todos os corretores têm e nela constam as "palavras-chave e conceitos" que devem estar obrigatoriamente presentes e daí se estabelece o que é uma resposta "satisfatória", uma resposta "acima da média" e o que pode ser uma resposta "abaixo do esperado".

Colocar detalhes ou informações específicas sobre o tema perguntado não são garantia de "mais nota", pelo contrário, pode mais atrapalhar que ajudar.

Os exames trabalham, geralmente, com duplas de corretores e caso haja entre eles uma divergência, pode ser acionado um terceiro para fazer o desempate.

Em História, quais seriam os temas prováveis para a 2a fase? Bem, uma sugestão inicial é buscar as ausências da 1a fase, pois como o programa é grande e numa 1a fase, o número de questões é pequeno, busca-se, no exame como um todo, cobrir a maior parte do programa.

Os exames podem se valer de uma determinada efeméride: 40 anos do 1o Choque do Petróleo ou 60 anos da fundação da PETROBRAS para fazer uma pergunta, porém, não há uma obrigatoriedade nisso, então, uma outra possibilidade é observar os temas mais discutidos nos diferentes meios de comunicação (jornais, TV, internet, etc) e se informar bem, pois podem vir a se tornar um tema de uma questão. No entanto, nada de exagero, pois o vestibular não tem a obrigação de fazer a "cobertura " dos acontecimentos mais recentes como as mídias fazem.

Mais do que recomendável é, neste momento, é a resolução das provas dos anos anteriores do exame que lhe interessa, pois apesar da abordagem e tema mudarem, acima de qualquer coisa, é a ambientação para responder questões de diferentes temas e recortes. Por exemplo, a Unicamp disponibiliza em seu site (http://www.comvest.unicamp.br/), um conjunto de informações sobre as "respostas esperadas", usando exemplos dos textos escritos pelos candidatos, obviamente sem mencionar suas identidades, assim, você pode ter uma noção de como o processo de avaliação é conduzido. Infelizmente, outras instituições não seguiram a postura da Unicamp.

Bons estudos para todos!




Nenhum comentário:

Postar um comentário