As Ricas Horas do Duque de Berry

As Ricas Horas do Duque de Berry
As Ricas Horas do Duque de Berry. Produção dos irmãos Limbourg - séc. XV. Mês de agosto

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Filme "Desmundo": uma viagem aos tempos da colônia



O filme Desmundo buscou retratar com significativa fidelidade o período colonial durante o século XVI. Lançado em 2003, traz no elenco os atores Simone Spoladore, Osmar Prado, Berta Zemei, Beatriz Segall, Caco Ciocler e entre outros. Com a direção de Alain Fresnot e roteiro de Sabina Anzuategui, Anna Muylaert e do próprio diretor, baseado no livro de Ana Miranda.

A história passa em 1570, no Brasil colonial e conta a vinda de órfãs portuguesas ao país para desposarem com colonizadores que aqui viviam e mostra uma preocupação do Coroa para que não houvesse mistura de raças, entre os portugueses e as índias. Uma destas jovens, Oribela (Simone Spoladore) por ser muito religiosa estava muito relutante em se casar. Mas, depois de repudiar um primeiro marido, é obrigada a casar com o senhor de engenho Francisco de Albuquerque (Osmar Prado), um homem de posses, porém muito rude.  A tensão marca o livro: tentativas de fuga, revoltas contra o marido, envolvimento e fuga com Ximeno Dias (Caco Ciocler), que no livro é apresentado como um mouro convertido ao cristianismo e no filme ele é retratado como um cristão-novo (judeu convertido a força para o catolicismo).

Destaca-se no filme as locações, a qualidade da caracterização dos personagens e a realidade mostrada, proporcionando uma visão particular: pois é uma voz feminina, são as memórias de Oribela, que retratam a colonização do Brasil, o domínio português sobre os índio e o poder da Igreja e da Coroa Portuguesa, bem como a sociedade patriarcal aqui implantada. O uso do português arcaico, que constitui a base da linguagem do romance, no filme também colabora para a recuperação dos costumes e do cotidiano daquela época.

Nota biográfica: Ana Miranda

Voltada para a linguagem, dotada de um brasilianismo intenso, Ana Miranda realiza um trabalho de redescoberta e valorização do nosso tesouro literário, que a leva a dialogar com obras e autores de nossa literatura, numa época em que as culturas delicadas são ameaçadas pela força de uma cultura universal. Fundada em séria e vasta pesquisa, recria épocas e situações que se referem à história literária brasileira, mas, primordialmente, dá vida a linguagens perdidas no tempo. Sua obra tem sido matéria de estudos na área acadêmica, recebendo teses e monografias, geralmente ligadas a questões de literatura & história, barroco brasileiro, romantismo, ou pós-modernidade. Recebeu alguns prêmios, como Jabutis e da Academia Brasileira de Letras; teve sua obra traduzida em cerca de vinte países, e conquistou expressivo número de leitores, no Brasil. Ana Miranda consagrou-se igualmente pela inclusão de seu Boca do Inferno no cânon dos cem maiores romances em língua portuguesa do século 20, elaborado por estudiosos da literatura, brasileiros e portugueses (O Globo, 5/set/98). Seus principais romances são: Boca do Inferno, 1989; A última quimera, 1995; Desmundo, 1996; Amrik, 1998; Dias & Dias, 2002; Yuxin, 2009. Todos editados pela Companhia das Letras. Nasceu no Ceará, em 1951, onde vive atualmente, após cinquenta anos entre Rio, Brasília e São Paulo.

Fonte: www.anamirandaliteratura.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário