As Ricas Horas do Duque de Berry

As Ricas Horas do Duque de Berry
As Ricas Horas do Duque de Berry. Produção dos irmãos Limbourg - séc. XV. Mês de novembro

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Revisão ENEM – Ciências Humanas – Parte II

Revisão ENEM – Ciências Humanas – Parte II

Prova Azul

ENEM 2015 – Q41

Em 1961, o presidente De Gaulle apelou com êxito aos recrutas franceses contra o golpe militar dos seus comandados, porque os soldados podiam ouvi-lo em rádios portáteis. Na década de 1970, os discursos do aiatolá Khomeini, líder exilado da futura Revolução levados para o Irã, copiados e difundidos.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

Os exemplos mencionados no texto evidenciam um uso
A) manipulação da vontade popular.

B) promoção da mobilização política.

C) insubordinação das tropas militares.

D) implantação de governos autoritários.

E) valorização dos socialmente desfavorecidos.

O objetivo desta questão é comparar 2 momentos históricos: a tentativa de golpe de Estado contra o General De Gaulle na França e a movimentação do Aiatolá Khomeini na articulação do movimento da Revolução Islâmica de 1979.

A alternativa A está errada, pois enquanto a fala de De Gaulle era para seus soldados, a fala de Khomeini era para a população em geral, sendo que o primeiro buscava se manter no poder, enquanto o segundo tentava chegar ao poder.
A alternativa B é a correta porque nas duas situações a mobilização política era prioritária para o sucesso de ambos, seja no caso de De Gaulle se manter no poder, contando com a lealdade de seus soldados, seja no caso de Khomeini que tinha que se colocar como a “voz” da oposição ao regime do Xá Reza Pahlevi.
A alternativa C está errada porque De Gaulle, como presidente tinha o controle do Exército e combatia um levante militar contra seu governo, enquanto Khomeini estando no exílio na França, tentava manter seus seguidores civis e militares em mobilização.
A alternativa D está errada, porque o golpe contra De Gaulle era uma quebra da democracia e no caso do Irã, já existia um regime autoritário, que depois fora substituído por outro, liderado por Khomeini, mas de caráter islâmico e antiocidental.
A alternativa E está errada porque em ambos os casos não há uma mobilização de ordem social, mas sim política e no texto não há nada que fale sobre as pessoas “socialmente desfavorecidas”, tanto na França quanto no Irã.



ENEM 2015 – Q33

Existe uma cultura política que domina o sistema e é fundamental para entender o conservadorismo brasileiro. Há um argumento, partilhado pela direita e pela esquerda, de que a sociedade brasileira é conservadora. Isso legitimou o conservadorismo do sistema político: existiriam limites para transformar o país, porque a sociedade é conservadora, não aceita mudanças bruscas. da redistribuição da renda. Mas não é assim. A sociedade é muito mais avançada que o sistema político. Ele se mantém porque consegue convencer a sociedade de que é a expressão dela, de seu conservadorismo.

NOBRE, M. Dois ismos que não rimam. Disponível em: www.unicamp.br. Acesso em: 28 mar. 2014 (adaptado).

A característica do sistema político brasileiro, ressaltada no texto, obtém sua legitimidade da

A) dispersão regional do poder econômico.
B) polarização acentuada da disputa partidária.
C) orientação radical dos movimentos populares.
D) condução eficiente das ações administrativas.
E) sustentação ideológica das desigualdades existentes.

O objetivo da questão é analisar as características do sistema político brasileiro, levando em consideração à dinâmica entre as ideias politicas, sua repercussão na sociedade e a atuação da classe política em si.

A alternativa A está errada, porque o texto discute o conceito “conservadorismo”, mas não o relaciona diretamente ao poder econômico e muito menos a dimensão deste último com a questão regional.

A alternativa B está errada, porque o texto evidencia que tanto “esquerda quanto direita” veem o conservadorismo presente na sociedade e nada se fala sobre partidos políticos.

A alternativa C aponta a “orientação radical”, porém, o texto não fala nada sobre esta perspectiva, mas busca numa análise mais geral, apontar características deste conservadorismo. Portanto, está errada.

A alternativa D está errada pois não há no texto em nenhum momento, a relação entre a gestão pública eficiente e a postura conservadora da sociedade.
A alternativa E é a correta, porque o texto fala de como tanto à esquerda quanto à direita, o conservadorismo identificado seria o legitimador das desigualdades estabelecidas.

ENEM 2015 – Q40

A Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, que começa a ser construída apenas em 1905, foi criada, ao contrário das outras grandes ferrovias paulistas, para ser uma ferrovia de penetração, buscando novas áreas para a agricultura e povoamento. Até 1890, o café era quem ditava o traçado das ferrovias, que eram vistas apenas como auxiliadoras da produção cafeeira.

CARVALHO, D. F. Café, ferrovias e crescimento populacional noroeste paulista. Disponível em: www.historica.arquivoestado.sp.gov.br. Acesso em: 2 ago. 2012.

Essa nova orientação dada à expansão ferroviária, durante a Primeira República, tinha como objetivo a

A) articulação de polos produtores para exportação.
B)criação de infraestrutura para atividade industrial.
C) integração de pequenas propriedades policultoras.
D)valorização de regiões de baixa densidade demográfica.
E) promoção de fluxos migratórios do campo para a cidade.

O objetivo da questão é fazer uma relação entre a expansão ferroviária e as transformações socioeconômicas no início do século XX no Brasil.

As alternativas A e B estão em desacordo com o texto, que fala da busca de “buscando novas áreas para a agricultura e povoamento.” Portanto, estão erradas.
Não há no texto nenhuma menção às pequenas propriedades policultoras, assim, a alternativa C está errada.
Já a correta é a alternativa D, que faz a relação entre a expansão ferroviária, o povoamento, conforme aponta o texto.
Não há no texto nenhuma menção à migração “campo cidade” no texto, então, a alternativa E encontra-se errada.


ENEM 2015 – Q42

TEXTO I
O presidente do jornal de maior circulação do país destacava também os avanços econômicos obtidos militares em 1964, deixava clara sua crença de que a intervenção fora imprescindível para a manutenção da democracia.

Disponível em: http://oglobo.globo.com. Acesso em: 1 set. 2013 (adaptado).

TEXTO II
Nada pode ser colocado em compensação à perda das liberdades individuais. Não existe nada de bom quando se aceita uma solução autoritária.

FICO, C. A educação e o golpe de 1964. Disponível em: www.brasilrecente.com. Acesso em: 4 abr. 2014 (adaptado).

Embora enfatizem a defesa da democracia, as visões do movimento político-militar de 1964 divergem ao focarem, respectivamente:
A) Razões de Estado — Soberania popular.
B) Ordenação da Nação — Prerrogativas religiosas.
C) Imposição das Forças Armadas — Deveres sociais.
D)Normatização do Poder Judiciário — Regras morais.
E) Contestação do sistema de governo — Tradições culturais.

O objetivo da questão é analisar as visões divergentes sobre o Regime Militar (1964-1985) no Brasil.

A Alternativa A é a correta, porque no texto I aponta-se a importância dos “avanços econômicos” e a pretensa “defesa da democracia” com o uso da força a partir da legitimidade das “Razões de Estado”. Já o texto II aponta a perda “das liberdades” e o preço caro de se apoiar uma ação autoritária.
A alternativa B está errada, pois apesar dos avanços econômicos serem desdobramentos de um conjunto de ações dessa “Nova Ordem”, quer dizer, o regime militar, não há nada no texto II que mencione a questão religiosa.
A alternativa C está errada, porque o Texto I menciona a intervenção militar que foi uma imposição, porém o texto II não fala nada em “deveres sociais” e sim na perda da liberdade.
A alternativa D está errada porque não há nenhuma menção ao Poder Judiciário no Texto I , bem como, nenhum menção às regras morais no texto II.
A alternativa E está errada porque o Texto I apoia o regime militar e não o contesta, enquanto o Texto II nada menciona sobre tradições culturais da sociedade brasileira.

ENEM 2015 – Q14

Uma norma só deve pretender validez quando todos os que possam ser concernidos por ela cheguem (ou possam chegar), enquanto participantes de um discurso prático, a um acordo quanto à validade dessa norma.
HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

Segundo Habermas, a validez de uma norma deve ser estabelecida pelo(a)
A) liberdade humana, que consagra a vontade.

B) razão comunicativa, que requer um consenso.

C) conhecimento filosófico, que expressa a verdade.
D) técnica científica, que aumenta o poder do homem.
E) poder político, que se concentra no sistema partidário.

O objetivo da questão é analisar a posição do filósofo Jürgen Habermas sobre a racionalidade operante na sociedade.



Dentro da teoria proposta por Habermas aparece o conceito da “ação comunicativa”, que se daria pelo consenso entre as partes da sociedade, distinto portanto, da razão instrumental conforme a tradição lógica do Iluminismo apresentou e vinha sendo até então debatida, o que se expressa em “ser concernidos”, pois se coloca o alcance e desse modo a alternativa B é a correta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário